Como desenvolver, desde cedo, bons hábitos de estudo?

by Colégio Rio Branco 30. junho 2017 13:21

Como desenvolver, desde cedo, bons hábitos de estudo? Esse é um desafio muito importante para pais e educadores e foi abordado no Encontro com a Direção de junho, conduzido pelas orientadoras de Apoio à Aprendizagem, Juliana Gois, em Higienópolis, e Carla Marquat, na Granja Vianna.

As educadoras apresentaram aos pais diversos aspectos e estudos com base nas neurociências. Do ponto de vista neurobiológico, aprendizagem é a aquisição de novos comportamentos, que resultam em atividade cerebral. O cérebro, portanto, é o órgão da aprendizagem, apesar de não ser o único responsável por ela.

É importante destacar que diferentes habilidades cognitivas, como percepção, atenção, memória, e linguagem estão envolvidas no processo ensino-aprendizagem.

Com vistas ao melhor o desenvolvimento da aprendizagem destacou-se as chamadas "Funções Executivas", base do comportamento intencional. Trata-se de um conjunto de habilidades que, de forma integrada, permitem ao indivíduo direcionar comportamentos a metas, avaliar a eficiência e a adequação desses comportamentos, abandonar estratégias ineficientes em prol de outras mais eficientes e, desse modo, resolver problemas imediatos, de médio e de longo prazo. Essas habilidades surgem no primeiro ano de vida e se desenvolvem até o final da adolescência.

Vale ressaltar que a motivação é essencial e cabe aos pais e educadores buscarem estratégias que despertem o interesse das crianças e jovens para o aprender. Seguem algumas sugestões:

  • Estimular habilidades como resiliência, curiosidade e perseverança - elas são fundamentais para ser bem sucedido tanto na escola e quanto na vida;
  • Colocar a educação escolar no dia a dia - conversar sobre o que aprendeu naquele dia, sobre os amigos, sobre as atividades. Com os mais velhos, podemos falar sobre as perspectivas para o futuro, como o ingresso no ensino superior;
  • Valorizar o conhecimento, os professores e a aprendizagem - o aluno aprende o valor da educação também quando percebe o quanto isso é importante para a família;
  • Apoiar o protagonismo do aluno - valorizar e acreditar que eles são capazes de realizar o que querem;
  • Ampliar o universo cultural e esportivo – atividades culturais estimulam a curiosidade e o senso crítico.

Aprender mais e melhor também é algo relacionado a outros aspectos importantes, como o acompanhamento do desempenho escolar, o respeito aos diferentes perfis cognitivos, a valorização de desafios e a atenção ao bem-estar, saúde, alimentação e sono.

Assista ao vídeo com as dicas da orientadora Juliana Gois.

Falando sobre Bullying

by Colégio Rio Branco 29. fevereiro 2016 09:55

O que é Bullying?

São situações em que um estudante, ou mais, intencionalmente, adota comportamentos agressivos e repetitivos contra outro, em desvantagem de força ou poder, colocando-o sobre tensão e dominação, resultando em danos e sofrimentos, sem motivos evidentes. (Fonte: Cléo Fante)

O que caracteriza o Bullying e o diferencia dos conflitos cotidianos?

Persistência e continuidade das agressões ao mesmo alvo,

Ausência de motivos,

Intenção de causar danos,

Desequilíbrio de poder,

Prejuízos às vitimas.

(Fonte: Cléo Fante)

O tema Bullying é, sem dúvida, complexo e desafiador, sendo necessária uma ampla atenção pela escola e pela família. Assim, em nosso primeiro Encontro com a Direção de 2016, realizado em 24 e 25 de fevereiro, nas unidades Granja Vianna e Higienópolis, tivemos a oportunidade de fazer uma ampla reflexão conjunta.

O assunto foi tratado sob a perspectiva do que é e do que não é Bullying, uma vez que a escola é um espaço coletivo, permeado por conflitos que precisam ser trabalhados a partir das emoções, da empatia, do respeito e da alteridade.

É importante destacar que em 9 de novembro de 2015, foi publicada a Lei nº 13.185, que institui o Programa de Combate à Intimidação Sistemática (Bullying), entrando em vigor em fevereiro.

Prevenir e atuar

A escola tem atenção constante para os conflitos cotidianos, para poder identificar possíveis ações de bullying e atuar rapidamente. Quando identificado, o bullying é tratado a partir de três perspectivas: a de quem sofre, a de quem pratica e a de quem, de alguma forma, assiste ou incentiva.

No âmbito escolar, acreditamos em um trabalho constante, com foco na conscientização de crianças e jovens:

quanto às consequências do bullying e às responsabilidades de quem pratica;

no fortalecimento de quem sofre o bullying para que saiba enfrentar e lidar com a situação e com as futuras adversidades que a vida lhe apresentará;

com as pessoas que assistem e que acabam sendo coniventes com a situação e precisam saber impedir e não concordar.

Outro aspecto importante é desenvolver a empatia. Ter empatia é saber olhar para o outro, colocando-se no lugar de outra pessoa, na tentativa de entender seus sentimentos e ações, sempre com o cuidado para não fazer julgamentos. Nesse sentido, é essencial saber conviver e respeitar as diferenças. A diversidade está em nossa matriz pedagógica e nossos alunos têm a oportunidade de conviver com o diferente desde pequenos. Exemplo disso é o trabalho desenvolvido entre alunos surdos e ouvintes.

Vale destacar que temos em nossa escola conflitos, naturais das relações entre as pessoas, porém há poucos casos de bullying. Não somos tolerantes com qualquer forma de preconceito e subjugação. No Rio Branco, temos uma experiência cotidiana que não abre espaço para o bullying: na firmeza das consequências, no trabalho pedagógico, na parceria com as famílias.

A forma como as famílias lidam com a questão faz toda a diferença na prevenção de casos de bullying. É preciso que os adultos reflitam sobre suas posturas com os filhos: somos tolerantes demais? estimulamos a resiliência? temos coerência entre nosso discurso e nossas ações?

O tema Bullying é trabalhado com os alunos em todos os segmentos, por meio de livros, filmes, palestras, discussões, entre outras oportunidades no cotidiano. Como um exemplo da amplitude dessa ação, apresentamos o projeto “Stop Motion…Ops!…Stop Bullying!”, que foi destaque no jornal O Estado de São Paulo.

Saiba mais sobre sobre o projeto.

A diversidade é um valor para o Colégio Rio Branco

by Colégio Rio Branco 30. junho 2015 11:07

“Diversidade e inclusão na escola” foi o tema abordado no Encontro com a Direção do mês de junho, realizado nos dia 24 e 25. Os pais tiveram a oportunidade de conhecer o trabalho desenvolvido pelo Centro de Educação para Surdos Rio Branco, que atua, há 38 anos, na educação e inclusão de surdos na sociedade.

Sabine Vergamini, diretora do Centro de Educação para Surdos Rio Branco, foi convidada para falar sobre a atuação da escola, o acolhimento dos alunos surdos e seus familiares e a inclusão em classes regulares de ouvintes, a partir do 6º ano do Ensino Fundamental, no Colégio Rio Branco e em instituições parceiras.

A integração entre os alunos surdos e ouvintes nas mais diversas atividades desenvolvidas nas unidades Higienópolis e Granja Vianna promove um aprendizado imenso para as crianças, os educadores e as famílias. As culturas se aproximam, alunos ouvintes e seus familiares demonstram cada vez mais interesse em aprender a Língua Brasileira de Sinais (Libras), alguns alunos surdos demostraram superação ao ganhar o Prêmio Rio Branco. Esse trabalho é contínuo e evolui a cada dia.

Diversas atividades pedagógicas e culturais de sociabilização e interação são desenvolvidas juntamente com o Colégio Rio Branco, possibilitando o convívio entre surdos e ouvintes, fortalecendo o respeito às diferenças.

A diversidade é um valor para o Colégio Rio Branco, que busca formar pessoas que, por meio de seu sucesso, possam fazer a diferença na sociedade.

Durante o encontro, na Unidade Granja Vianna, os pais presentes realizaram uma visita ao Centro de Educação para Surdos Rio Branco e conversaram com os alunos sobre a escola, suas curiosidades e vontades.

Saiba mais sobre o CES

O Centro de Educação para Surdos Rio Branco oferece uma educação pautada na filosofia bilíngue e multicultural que compreende a Língua Brasileira de Sinais (Libras) como a língua primeira ou materna e a Língua Portuguesa, em sua modalidade escrita, como segunda língua.

A escola organiza seu trabalho em quatro grandes etapas: Programa de Estimulação do Desenvolvimento, Educação Infantil, Ensino Fundamental e Programa Continuidade de Escolaridade.

O Programa de Estimulação do Desenvolvimento (PED) é o primeiro passo na educação de crianças surdas, atendendo a faixa de 0 a 3 anos. No Ensino Fundamental (do 1º ao 5º ano), viabiliza-se o contato da criança com adultos surdos, usuários da Libras, motivando a comunicação, propiciando o desenvolvimento da linguagem compatível com a faixa etária e favorecendo a futura escolarização.

A Educação Infantil, oferecida, prioritariamente, para crianças de 3 a 5 anos, tem por finalidade o desenvolvimento dos aspectos linguísticos, físicos, emocionais, cognitivos e sociais do aluno.

No Ensino Fundamental I, os alunos dedicam-se aos estudos em período integral, propiciando acesso ao currículo e projetos extracurriculares envolvendo pesquisas e atividades, como dança, cinema, teatro, artes, esportes e tecnologia, buscando, entre outras coisas, contemplar os diferentes estilos de aprendizagem.

Na etapa do Programa Continuidade de Escolaridade, os alunos que concluíram o 5º ano do Ensino Fundamental no CES, com a identidade surda formada e fortalecida, são incluídos em classes regulares do Colégio Rio Branco e de instituições parceiras, onde são acompanhados por tradutores e intérpretes de Libras e Língua Portuguesa, qualificados e mantidos pela Fundação de Rotarianos de São Paulo.

Conheça atividades desenvolvidas entre alunos surdos e ouvintes

Festa Junina da Unidade Granja Vianna

Festa Junina da Unidade Higienópolis

Alunos realizam passeio para o Museu Afro Brasil

Alunos conhecem o Jardim das Esculturas no MAM

Alunos do CES integram Clube de Xadrez Rio Branco

CRB e CES oferecem curso de Libras para alunos e pais

Vamos sonhar juntos

Saiba mais e seja um voluntário!