20/08/2018

Rio Branco é finalista na Olimpíada Nacional em História do Brasil

O Colégio Rio Branco foi finalista na Olimpíada Nacional em História do Brasil, organizada pela Unicamp, e as alunas Amanda Almeida e Silva Bianchi, Luisa Pepe Razzolini e Marina Martins Dias França Pinto, da 3ª série do Ensino Médio, acompanhadas pelo professor Pedro Castellan, conquistaram a medalha de bronze!

A Olimpíada contou com 57,5 mil inscritos desde a fase inicial, aproximadamente 20 mil equipes de todas as regiões do Brasil. Para a fase presencial, realizada na Unicamp, foram selecionadas 311 equipes finalistas.

Para a fase final, realizada em 18 de agosto, os alunos participantes deveriam de elaborar uma redação, que teve como tema a composição do Congresso Nacional e a importância das eleições para a saúde da democracia. No dia 19 de agosto, aconteceu a cerimônia final e a premiação das equipes finalistas.

 


O professor Pedro Castellan ao lado das alunas Amanda Almeida, Luisa Pepe e Marina Martins Dias França Pinto, da 3ª série do Ensino Médio

Ao todo, foram entregues 75 medalhas, sendo 15 de ouro, 25 de prata e 35 e bronze. Das 311 equipes aprovadas na grande final, apenas 75 delas foram premiadas!

Cada equipe foi composta por três estudantes e um orientador. O Colégio Rio Branco participou da competição com cerca de 20 equipes, das unidades Higienópolis e Granja Vianna. Os estudantes se prepararam desde maio e foram orientados pelo Núcleo de Apoio, com apoio da Coordenação da Área de Ciências Humanas.

“Ao participar da Olimpíada Nacional de História do Brasil nossos estudantes são instigados a pensar e agir de forma autônoma. A reflexão crítica dos documentos históricos propostos nos desafios da Olimpíada possibilita aos alunos um primeiro contato com o ofício do Historiador, um trabalho que envolve razão e sensibilidade, no qual o diálogo entre o passado e presente é o ponto chave para a resolução das questões. Os estudantes, ao interagirem com o documento histórico, estão aperfeiçoando técnicas como análise e compreensão de textos e imagens, inferências entre informações e dados incompletos e aguçando suas reflexões dentro das Humanidades, um dos pilares fundamentais dos mais variados vestibulares”, explicou o professor de História, Pedro Castellan.