12/06/2018

Período Integral: alunos investigam e brincam de ser perfumistas

Os alunos do Grupo 1 do Período Integral, da Unidade Granja Vianna, dedicaram-se a um assunto muito cheiroso e cheio de possibilidades: os perfumes! Durante essa atividade as crianças investigaram, fizeram experimentos, usaram a imaginação e a criatividade.

Esse projeto teve início com o interesse das crianças, que por várias vezes brincavam de fazer perfume com as flores do bosque do colégio. “Elas pegavam as flores que encontravam, misturavam com água e sabão, mexiam utilizando os gravetos e depois de pronto passavam no pulso e no pescoço. Mas os alunos perceberam que o cheiro do sabão ficava sempre mais forte do que o cheiro das flores. Por que será?”, contaram as professoras.

A segunda etapa da atividade foi investigar como as indústrias fazem o perfume, ou seja, como conseguem pegar o cheiro das plantas, flores e outros materiais da natureza e transformá-los em um “líquido cheiroso”, o chamado óleo essencial. Após descobrirem como são feitos os óleos essenciais, foram ao laboratório colocar em prática a descoberta. O técnico de laboratório do colégio, Zezinho, ajudou os alunos a destilar folhas de hortelã. “A conclusão dessa etapa foi que mesmo passando o óleo essencial de hortelã nos pulsos o cheiro foi embora em poucos minutos. O perfume não podia ser apenas óleo essencial puro”, explicaram as professoras.

A terceira etapa do projeto foi entender que dentro do perfume não há apenas óleo essencial. Na verdade os perfumes precisam de uma base e de um fixador para, segundo as crianças, “prenderem” o cheiro dos óleos essenciais. Os perfumistas criam cheiros diferentes misturando as essências, combinando cheiros. Então foi isso que as crianças fizeram, misturaram cheiros!

Segundo as professoras Ariane Rebelatto e Genifer Tifani, o dia de ser perfumista foi o preferido das crianças! Elas tiveram uma série de essências à disposição para escolherem como: açaí, sândalo, abacaxi, eucalipto, rosa, jasmim, entre outros, além da base e do fixador. Seguiram a receita das proporções, escolheram quais queriam misturar e com um conta gotas e as seringas foram montando seus perfumes. Por fim nomearam seus perfumes.Após 20 dias macerando, ou seja, repousando no escuro, eles estavam prontos.

A última etapa do projeto foi comparar o perfume feito com flores do bosque e o perfume feito com óleos essenciais no laboratório. “As opiniões foram muito diversas, mas, no geral, todas perceberam que o perfume feito em laboratório é mais cheiroso, “potente” e dura mais tempo, embora o feito com flores fica mais colorido e bonito de olhar. Enfim os dois jeitos têm seu valor e sua beleza”, explicaram Ariane e Genifer.

“Este projeto, dentre outras coisas, permitiu que os alunos percebessem que a natureza é que nos fornece os cheiros primários e que a mistura deles nos permite criar infinitos tipos de perfume. Portanto, sem natureza não há perfume”, finalizaram.

Confira o vídeo!