07/06/2017

Professora apresenta o Ensino Híbrido como uma forma democrática de educação

A professora Andressa Righi, do Ensino Fundamental I da Unidade Higienópolis, participou do IX Seminário Internacional intitulado “As Redes Educativas e as Tecnologias: Educação e democracia – aprender ensinar para um mundo plural e igualitário”, organizado pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

Professora Andressa Righi

No dia 07 de junho, n professora apresentou o trabalho “Educação democrática: geração tecnológica”, um diálogo entre a necessidade do campo educacional acompanhar as tendências sociais, como a evolução tecnológica, e suas vivências quanto professora do Colégio Rio Branco. Na escola, há um movimento contínuo da adequação à abordagem do Ensino Híbrido nas aulas de Matemática desde 2015. Confira o artigo aqui.

A professora discutiu as responsabilidades da educação, abrangendo a questão de a escola ser um instrumento de continuidade social vital para o aprimoramento e crescimento enquanto ser humano e que deve ser “[...] capaz de oportunizar situações práticas da democracia, começando por não dar soluções às crianças, e sim, motivá-las e guiá-las a encontrar meios de resolver os problemas e exercitar continuamente a experiência do compartilhamento nas associações que a escola oportuniza”, destacou.

Em seguida, a professora destacou sua inquietação a partir do seguinte questionamento: “Se nós, responsáveis pela educação formal, temos ciência de que devemos ensinar de forma crítica às crianças a lidarem frente às influências sociais, seria certo, justo, democrático, uma educação desvinculada da tecnologia?”.

Uma das práticas democráticas é o Ensino Híbrido, sendo uma oportunidade de atualizar o meio educacional, de forma transformadora, já que vem personalizando o dia a dia da escola com a interação da tecnologia digital.
“A abordagem, está vinculada a otimização do processo de ensino-aprendizagem, defendendo principalmente a ideia de que não há uma única forma de ensinar e aprender, por isso dispõe de diferentes modelos, como: Rotação por estações; Laboratório Rotacional; e Aula Invertida”, explicou Andressa Righi.

No Colégio Rio Branco, são utilizadas as plataformas digitais Matific e Khan Academy, que agregam situações-problema aos educandos trabalhando diversas habilidades e, sobretudo, a autonomia. “Defendendo, a importância de uma escola constituída por educadores que buscam inovações e se adequam ao movimento do mundo, onde o Ensino Híbrido entra como o qual personaliza o ensino por alternâncias do uso de ferramentas digitais, melhor dizendo, uma abordagem que se responsabiliza em propor metodologias que oscilem entre plataformas educativas on-line ou off-line, dependendo dos objetivos propostos pelo professor. O que já vem ocorrendo em nossa escola”, destacou.